Esta performance é livremente inspirada nos escritos de Sol e Aço, último livro de Yukio Mishima, como diz o próprio autor, espécie de gênero intermediário entre a noite da confissão e a luz solar da crítica.

O espírito frente à consciência constante diante da morte, a linguagem do corpo lapidada pelas artes marciais, o embate entre a consciência e o corpo, profunda luta oculta, a luta consigo mesmo em ultrapassar as contradições entre corpo e espírito.

Em Sol e Aço vislumbro um caminho para o ato criativo do corpo, a busca pela loquacidade do corpo, o pensamento do corpo que emerge do silêncio e da corrosão das palavras: a linguagem da carne na compreensão do sentido da existência e da ação.

Performer – Emilie Sugai

Colaboração – Cristina Salmistraro

Iluminação e montagem – André Boll

Operação do som – Roberto Mello

Fotos – Emidio Luisi

Duração – 20 minutos

Projeto Redescobrindo Yukio Mishima pela Fundação Japão em parceria com a Cinemateca Brasileira.