AKA

Espetáculo inédito de dança butô, protagonizado pela performer Emilie Sugai, atravessa a obra de Tomie Ohtake
AKA, trabalho concebido pela performer Emilie Sugai e pelo diretor Lee Taylor, filmado pelo cineasta Joel Pizzini no teatro FAAP, estreou em sessões gratuitas online via Sympla de 28 a 31 de janeiro e de 04 a 07 de fevereiro de 2021.

O espetáculo investiga o universo pictórico e escultórico de Tomie Ohtake (1913-2015) tendo como referência a dança butô, objeto de pesquisa de Emilie Sugai desde 1991, quando integrava a Cia Tamanduá de Dança Teatro, sob direção de Takao Kusuno (1945-2001), considerado o introdutor da expressão artística japonesa no Brasil.
A dupla de criadores Emilie Sugai e Lee Taylor, que se conheceu em Foi Carmen (2008), de Antunes Filho, retoma com AKA uma parceria iniciada em 2013, quando realizaram o site specific Holoch, no antigo Centro de Cultura Judaica, considerado o melhor espetáculo solo do Prêmio Denilto Gomes, promovido pela Cooperativa Paulista de Dança.
O roteiro cênico de AKA, “vermelho” em japonês, inspirou-se na estética das linguagens desenvolvidas pela artista plástica, e é composto de quatro estações: esboços, gravura, pintura e escultura. Cada estação possui uma cor predominante que remete às cores mais usadas nos trabalhos de Tomie: o branco, o amarelo, o azul e o vermelho. Emilie Sugai busca corporificar as sensações suscitadas pelas formas do universo da artista plástica. AKA atravessa a arte abstrata de Tomie Ohtake, de modo sensorial, propondo um diálogo interdisciplinar entre as artes plásticas e a dança contemporânea.
O projeto AKA recebeu o Prêmio ProAC da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo para a produção e temporada de espetáculos inéditos de dança no Estado de São Paulo. Devido à pandemia da Covid-19, o espetáculo foi transposto para filme, sob o olhar do cineasta Joel Pizzini, (500 Almas e Zimba) parceiro de criação de Emilie Sugai desde 2003, em obras como o espetáculo Lunaris, a performance Termini e o filme Elogio da Sombra.

Tomie Ohtake (1913- 2015), artista plástica de renome internacional, é reconhecida por sua expressiva produção no campo da pintura, gravura e escultura, e por suas obras públicas de grandes dimensões espalhadas pelas cidades brasileiras. Veio do Japão ao Brasil em 1936 para visitar o irmão e por conta da Segunda Guerra ficou impedida de retornar e por aqui se naturalizou. Iniciou sua carreira aos 40 anos, após criar seus dois filhos. Viveu até seus 101 anos trabalhando.

Fotos: Emidio Luisi e Produção